Regressado à competição depois de uma longa paragem por lesão, Tiago falou neste sábado ao jornal El País sobre o período em que esteve afastado do futebol, garantindo que nunca pensou retirar-se do futebol.

«Não me passou pela cabeça, tinha muito tempo para regressar e ajudar a equipa, mas a verdade é que passado tanto tempo ficas num nível tão distante dos teus colegas que isso passa-te pela cabeça. Mas felizmente foram pensamentos breves e consegui dar a volta e posso continuar a desfrutar do futebol»

«O meu problema não era a disputa de bola, era mais na corrida, era arrancar e parar. Sem corrida é impossível jogar futebol e é aí que te surgem todas as dúvidas, a cabeça começa a pensar demasiado e é aí onde sofres mais. A verdade é que a experiência ajuda a que não tenhas de correr tanto em campo, mas há que correr, ajudar o companheiro. Sem trabalho e esforço é impossível jogar futebol», começou por referir o médio português, confessando também que aproveitou o tempo livre para ver jogos.

«Enquanto estava lesionado via mais futebol porque quando estou a competir não vejo muito. Estava com vontade de devorar futebol, de vivê-lo, e estava mais atento à televisão. É incrível porque o futebol nunca é igual, está sempre a mudar.»

Apesar de já estar nos colchoneros há vários anos, Tiago apresenta-se como um reforço importante para Diego Simeone na nova época. Ao regresso do internacional português somam-se também algumas contratações sonantes como Nico Gaitán.

Tiago olha para a inclusão do argentino como um acréscimo de qualidade para o plantel.

«Podemos esperar qualidade, e é um jogador que está habituado a ser campeão no Benfica. Pode gerir os tempos de jogo como fazia o Arda [Turan], dar-nos essa pausa», sublinhou.

Antevendo o arranque da liga espanhola, Tiago acredita que o Atlético de Madrid vai novamente disputar o título com os habituais rivais, elogiando também Cristiano Ronaldo, dizendo que o madeirense vai aproximar-se cada vez mais de um avançado puro.

«Com o tempo sim. Vai jogar cada vez mais perto da área porque lá é mais forte, não lhe podes dar um milímetro, é incrível a finalizar»

«Tentaremos competir com o Barcelona e com o Real Madrid até ao final do campeonato, e quem sabe superá-los. A Liga dos Campeões é especial, estivemos perto e voltaremos a tentar, mas é muito difícil chegar a duas finais em três anos, ainda que tenha parecido fácil. Oxalá possamos chegar aos quartos de final e, a partir daí, tudo é possível», afirmou.